| VARELA

Base do cálculo é feita a partir das matérias publicadas pelos veículos de imprensa.

Reprodução

O estado da Bahia lidera o ranking em número de abordagens e prisões feitas com o auxílio da tecnologia de reconhecimento facial. O levantamento foi feito pelo The Intercept Brasil.
Segundo informações do balanço feito pela Rede de Observatórios da Segurança, a Bahia registrou cerca de 51,7% prisões feitas após a utilização da ferramenta no setor de segurança pública. 90,5 % das pessoas presas são negras. A base do cálculo é feita a partir das matérias publicadas pelos veículos de imprensa, além das informações em contas oficias das polícias e outras redes sociais.
Atrás da Bahia, o Rio de Janeiro segue em segundo lugar com 37,1%. Seguidos de Santa Catarina com 7,3%, Paraíba 3,3% e Ceará 0,7%.
O maior número de prisões é ligado a tráfico de drogas e roubos, apresentando cerca de 24,1%. Em 66 casos identificados pelo The Intercept, relacionados ao sexo dos suspeitos, 87,9% eram homens e 12,1% mulheres, com idade média de 35 anos.
No início de novembro, foram divulgadas 80 prisões pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) com o sistema de reconhecimento facial. Os dados apresentados são do ano passado. A expectativa é de que o método seja implantado em 77 cidades no estado.