Acompanhado por um defensor público, Adailton de Jesus Santos se apresentou à Polícia Civil, por volta das 14h30 desta quinta-feira (18), no Complexo Policial de Itapetinga.

Reprodução

As investigações da polícia apontaram que ele matou a tiros o auditor fiscal Jamacy José de Almeida, de 72 anos, no dia 13 de agosto de 2015, em Macarani.
Um ano depois do crime, uma ação conjunta das policias Civil da Bahia e de Minas, localizou Adailton em Nova Lima, região metropolitana de Belo Horizonte. Na época, o trabalho contou com o apoio da Superintendência de Inteligência (SI) da Secretaria da Segurança Pública (SSP/BA).
Adailton, também conhecido por “Nunes”, foi encaminhado para a delegacia de Macarani. Apesar de todo o trabalho dos agentes, ele fugiu da cadeia na mesma semana em que havia sido preso. A reportagem apurou ainda que o indiciado simulou ( junto com outros presos) que um colega de cela estava passando mal. Um guarda entrou na carceragem e acabou rendido. Na época, 5 detentos conseguiram fugir, Adailton foi o único que não foi localizado pela polícia.
Agora, preso novamente, indiciado por latrocínio (roubo seguido de morte), Adailton segue no Complexo Policial de Itapetinga, à disposição da justiça, aguardando o julgamento do caso.

Em depoimento, ele negou o crime, mas a polícia não tem dúvidas que o homem abordou o auditor fiscal para roubar. “Já, já”, como era conhecido chegava em casa em um carro, quando foi surpreendido. O idoso, que morava sozinho, foi baleado após reagir ao assalto. Empresário do ramo de restaurantes, além de empresas na região Sul do Estado.
A polícia não descarta a participação de uma 2ª pessoa no crime, no entanto, não existem provas o suficiente.
Segundo a polícia, além de latrocínio, o suspeito já tem uma passagem por furto. / Itapetinga Repórter