Delegado classificou rapaz como ‘repugnante, monstro e perturbado’. Sobrinho arrancou o órgão e o entregou para a filha da vítima.

Reprodução

O sobrinho que foi preso na noite dessa terça-feira (2) suspeito de ter matado a tia dele em Sorriso, a 420 quilômetros de Cuiabá, tinha se mudado para Mato Grosso há quatro dias depois de tentar matar a mãe dele em Campinas, São Paulo.
A informação foi divulgada pelo delegado André Ribeiro nesta quarta-feira (3). Maria Zélia da Silva, de 55 anos, foi morta a facadas dentro da própria casa, no bairro Vila Bela, pelo sobrinho Lumar Costa da Silva, de 28 anos.
Segundo o delegado, ele arrancou o coração da mulher, entregou o órgão para a filha da vítima e confessou o crime.
“É repugnante, ele é um monstro e é uma pessoa perturbada. Não se pode nem dizer que ele é um animal, porque nem um animal faz isso com outro”, declarou o delegado.
De acordo com a Polícia Civil, Lumar chegou a Mato Grosso na última sexta-feira (28) para morar com a tia. No mesmo dia que chegou o rapaz entregou currículos na cidade. A família diz que ele é considerado uma pessoa inteligente e fala duas línguas.
Lumar, atualmente desempregado, é técnico em redes de sistema e morava em São Paulo.

“No dia 21 de junho ele tentou matar a mãe dele em São Paulo, usando um facão. Por conta dessa situação ele veio para Sorriso onde foi morar com a tia”, explicou o delegado.

Maria Zélia abrigou o rapaz, mas o suspeito também começou a causar problemas para a família em Mato Grosso. A tia sabia do desentendimento com a mãe dele em São Paulo. O comportamento dele teria mudado, conforme familiares, depois da briga com a mãe.

“No final de semana ele arrumou uma confusão com vizinhos e, com um facão, ameaçou matar pessoas e crianças na rua. Depois desse acontecimento a tia [vítima] pediu para que a família tirasse ele da casa”, comentou o delegado.

Outro fator que influenciou a decisão de Maria Zélia foi a de que o sobrinho é usuário de drogas e começou a usar entorpecente na casa dela. Religiosa, a vítima se sentia incomodada com as atitudes do sobrinho.
A família arranjou uma quitinete para ele e o rapaz se mudou da casa.

“Ele tirou a vida da tia, abriu o corpo e retirou o coração. Colocou o coração em uma sacola plástica de mercado e levou para a casa da filha da vítima, deixando em cima da mesa”, detalhou o delegado.

Na sequência, Lumar, obrigou a prima a entregar as chaves do carro dela. Ele saiu pela cidade e bateu em um transformador de energia, além de invadir a empresa de energia elétrica da cidade.
Ele começou a andar a pé pela cidade, até a ser abordado pela Polícia Militar, na Rua das Videiras, e demonstrava estar bastante transtornado.
Para o delegado, o sobrinho é uma pessoa fria, age como se nada tivesse acontecido e não demonstra arrependimento. O delegado pretende pedir exame psiquiátrico do suspeito.
Lumar está preso na delegacia da Polícia Civil de Sorriso. Ele não quis falar no interrogatório na delegacia e não tinha antecedentes criminais.
Segundo o perito Nilson Carlos Dalberto, o suspeito usou duas facas para matar a vítima. A mulher tinha três ferimentos, no pescoço e no tórax.

“Ela [a mulher morta] apresenta espuma na boca, o que muito provavelmente indica que, durante a abertura do tórax, essa vítima ainda estava respirando. Não é possível afirmar se ela estava consciente ou não. É um fato completamente fora do comum, muito diferente do que a gente está acostumado a ver”, declarou.

/ G1.